top of page
  • Marcelo Salles Pereira

Asa e Josafá: atitudes diferentes frente ao erro

Asa foi pai de Josafá e os dois foram tementes a Deus, porém os dois erraram em algum momento. Quais foram as atitudes de ambos frente ao erro?



Texto de Referência

2 Crônicas 19:5-7 | NVI


Ele nomeou juízes, em cada uma das cidades fortificadas de Judá, dizendo-lhes: "Considerem atentamente aquilo que fazem, pois vocês não estão julgando para o homem, mas para o Senhor, que estará com vocês sempre que derem um veredicto.


Agora, que o temor do Senhor esteja sobre vocês. Julguem com cuidado, pois com o Senhor, o nosso Deus, não há injustiça nem parcialidade nem suborno".



Sumário


 

Introdução

 

Governantes e juízes. Como são importantes em uma nação.


Neste texto vamos refletir em dois reis de Judá que foram tementes a Deus, mas que cometeram erros que prejudicaram a eles e a nação que governaram.


Como esses reis agiram? Onde eles acertaram? Onde eles erraram? Se arrependeram após seus erros? Quais foram suas atitudes posteriores ao erro?


Vamos ver.

 

 

O Contexto

 

Josafá era filho de Asa, um rei que retirou os altares idólatras, que despedaçou as colunas sagradas e derrubou os postes sagrados.


Asa ordenou ao povo que buscasse ao Senhor e que o obedecesse.


 Quando os etíopes reuniram 1 milhão de soldados para enfrentar Judá, Asa orou ao Senhor e este lhe deu a vitória.


Após esta grande vitória é dito que o Espírito do Senhor veio sobre Azarias e este falou a Asa e ao povo de Judá. As palavras de Azarias impactaram tanto que Asa mandou retirar os ídolos repugnantes de toda a terra de Judá, Benjamim e Efraim. Ele ainda mandou restaurar o altar do Senhor em frente ao pórtico do templo do Senhor.


Asa e o povo fizeram um acordo de seguirem ao Senhor de todo o coração. O Senhor respondeu concedendo a eles paz em todas suas fronteiras.


Porém, ninguém é perfeito e Asa retirou prata e ouro do templo para dar ao reino da Síria para que este lhe ajudasse na guerra contra Israel.


Por esse ato, o vidente Hanani disse a Asa que ele deveria ter buscado a Deus da mesma forma que tinha buscado na guerra contra os etíopes, porém, ele foi buscar ajuda da Síria. Por isso, Asa enfrentaria guerras pelo resto de sua vida.


Asa não gostou do que ouviu e mandou prender Hanani e oprimiu ao povo. Asa morreu por causa de uma doença no pé. Está escrito que ele não buscou ajuda do Senhor, mas somente dos médicos. Ele tinha se esquecido de Deus no final de sua vida.


Josafá começou a reinar no lugar de Asa e no começo foi bem, pois buscou ao Senhor e não imitou os atos de Israel.


Ele enviou oficiais e levitas para ensinarem nas cidades de Judá o Livro da Lei. Por isso, o temor do Senhor caiu sobre todo o povo.


Porém (sempre tem um), Josafá se uniu a Acabe por laços de casamento e alguns anos depois, Acabe chamou Josafá para ir à guerra com ele contra Ramote-Gileade. Josafá aceitou.


Nesta guerra deu tudo errado e Acabe morreu. Josafá voltou derrotado para Jerusalém.

Jeú, filho de Hanani (lembra dele?) disse para Josafá que ele não deveria ter se juntado aos ímpios (Israel?) e amado aqueles que odiavam ao Senhor (Acabe?) e que a ira do Senhor estava sobre ele.


Mesmo após essa fala, Josafá toma a decisão de percorrer toda a nação e fazê-los se voltarem para o Senhor.


Aí chegamos em nosso texto de referência.


Veja quanta coisa temos para refletir.

 

 

Asa e Josafá: atitudes diferentes frente ao erro

 

Tanto Asa, o pai de Josafá, quanto ele mesmo, temeram ao Senhor e os dois em algum momento cometeram erros graves. Asa entregou tesouros do templo do Senhor a um rei estrangeiro para que este guerreasse contra Israel. Josafá se uniu a um rei que odiava ao Senhor.


Os dois foram repreendidos pelo Senhor, porém Asa não se arrependeu, mas Josafá sim, pois ele mesmo saiu por toda terra de Judá para fazer com que o povo se voltasse ao Senhor. Quantas pessoas que ao serem repreendidas por alguém pedem aos outros que se voltem para quem os repreendeu? Josafá fez isso.


Além disso, Josafá nomeou juízes em cada cidade fortificada e ordenou que eles não agissem com injustiça, parcialidade nem suborno. Ele disse aos juízes para julgarem como para o Senhor e não para os seres humanos. Dessa forma, o Senhor estaria com eles em todo o veredito que dessem e haveria justiça.


Olha só como é importante haver governantes tementes a Deus.


Eles esperam que todos na administração pública e no judiciário ajam da forma correta. Josafá vai além e quer que façam tudo como que para o Senhor. Ele sabia que somente com o temor do Senhor nas vidas dos juízes os fariam julgar realmente com justiça. Josafá sabia que isso seria uma benção para Judá.


É óbvio que esses governantes precisam dar o exemplo e devem agir da forma que eles ordenaram aos outros. Josafá fez isso, mesmo tendo errado, levando o povo a se voltar para Deus.


Quando alguém age de forma correta e, indo além, segundo a vontade de Deus, o natural é que o Senhor se volte para esse alguém e lhe conceda bençãos. Essas bençãos podem se estender para aqueles à sua volta. Isso não tem nada a ver com pregação de prosperidade, mas com entendimento bíblico.


Ao se voltar para o Senhor, Josafá foi abençoado:

 

“O Senhor firmou o reino de Josafá, e todo o Judá lhe trazia presentes, de maneira que teve grande riqueza e honra.” (2 Crônicas 17:5)

 

As bençãos do Senhor são para os que o servem de coração.


Asa, no final de sua vida oprimiu o povo e prendeu o vidente que tinha lhe repreendido. Josafá nomeou juízes para julgar com justiça o povo.


De quem que o Senhor mais se agradou? Acho que não preciso responder.


E nos dias de hoje, como estamos com nossos governantes e juízes?


Hoje temos governantes e juízes que precisavam aprender com Josafá, se arrependerem de seus atos e se voltarem para o Senhor para que este estivesse com eles em suas decisões e vereditos e, assim, houvesse paz e justiça em nossa terra.


Embora, como ser humano, eu tenha dificuldades de acreditar que esses que aí estão mudem seu rumo, como filho de Deus tenho que acreditar que Ele é poderoso para mudar os corações.


Oremos para que um dia isso aconteça. Deus ouviu Asa e Josafá e pode nos ouvir também.

 

 

Conclusão

 

Todo aquele que quer governar, seja no mais alto posto de uma nação seja em sua própria casa, precisa voltar-se para o Senhor e deixar que Ele guie seus passos na direção certa, na direção que trará paz e justiça.


Vamos olhar para nós mesmos e para nossas famílias. Como estamos em nossa própria casa? Existe paz? Existe justiça? Se não, nos voltemos para o Senhor.


Se não gostamos de nossos governantes e juízes, não vamos agir como eles, mas vamos orar para que Deus mude os corações deles ou que Ele nos ajude caso eles não mudem.


Que o Senhor te abençoe e te guarde!


 


 

Dicas de Leitura



1 e 2 Cônicas

por Richard L. Pratt, Jr


Pratt baseia-se sempre em exegese sadia, interpretando as palavras de Crônicas à luz de seu horizonte histórico. E poucos são tão competentes para interpretar narrativas com sensibilidade para estrutura, caracterização e desenvolvimento da trama.

O comentário de Pratt é sólido porque ele pressupõe a infabilidade do texto hebraico que o cronista redigiu originalmente sob a inspiração do Espírito Santo. Ele pressupõe igualmente que, embora o cronista tenha se dirigido a uma audiência israelita original entre 515 a 390 A.C., sua.teologia possui valor duradouro para os leitores cristãos contemporâneos. Com firmeza, nosso autor conduz a teologia do cronista até seu desenvolvimento no Novo Testamento.”

Bruce Waltke, Reformed Theological Seminary, Orlando.


Se puder e quiser nos ajudar, compre pelo link abaixo:





 

15 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page