top of page
  • Marcelo Salles Pereira

Uma Mensagem De Esperança No Cativeiro

Deus usou o profeta Isaías para comunicar uma mensagem de esperança ao Seu povo quando este estava no cativeiro da Babilônia.




Texto de Referência

 

Isaías 41:10 | ACF


Não temas, porque eu sou contigo; não te assombres, porque eu sou teu Deus; eu te fortaleço, e te ajudo, e te sustento com a destra da minha justiça.




Sumário


 

 

Introdução

 

Vamos analisar um texto muito conhecido da palavra de Deus e entender o contexto em que está inserido.


Este é um versículo muito usado em pregações e em vídeos no Youtube, pois ele incentiva ao povo de Deus para não temer. O versículo ainda diz que o Senhor está com seu povo e Ele faz várias promessas enquanto o povo ainda estava no cativeiro babilônico.


A expressão não temas é muito usada em toda a Bíblia e em especial no antigo testamento.


Vejamos por que o Senhor diz ao seu povo para não ter medo.

 

 

O Contexto

 

Esse versículo está relacionado ao rei Ciro da Pérsia. Esse rei foi usado pelo Senhor para conquistar as nações e libertar o povo de Deus do cativeiro.


Em Esdras 1:2 está escrito:

 

"Assim diz Ciro, rei da Pérsia: "O Senhor, o Deus dos céus, deu-me todos os reinos da terra e designou-me para construir um templo para ele em Jerusalém de Judá.

 

Sabemos disso por causa do versículo 2 de Isaías 41:

 

"Quem despertou o que vem do oriente, e chamou-o em retidão ao seu serviço, entregando-lhe nações e subjugando reis diante dele? Com a espada ele os reduz a pó, com o arco os dispersa como palha."

 

Existe um consenso de que esse que vem do oriente é Ciro. Deus usa a quem Ele quer para alcançar seus objetivos.


Ele sabia qual era o coração de Balaão, mesmo assim Ele o usou para abençoar o povo de Israel, mesmo Balaão querendo receber o dinheiro de Balaque para amaldiçoar o povo.

Balaão estava com o coração não em Deus, mas no que ia receber e em certo momento o Senhor teve de usar uma mula para falar que ele estava seguindo um caminho que desagradava ao Senhor. (Números 22:21-34)


Tenho comigo que quando oro pedindo algo ao Senhor preciso estar atento a tudo e a todos à minha volta. Deus já me deu direção pela boca de um colega de trabalho que não tinha o temor do Senhor.


Então, Deus usa Ciro para abençoar ao povo de Israel.

 

 

Não temas

 

O antigo testamento usa muito essa expressão: não temas!


Essa expressão é usada sempre por Deus em relação ao povo escolhido por Ele. É um expressão que traz esperança para o coração daquele que a recebe.


Quando o Senhor diz isso, não temas, é porque há algo em frente que pode amedrontar e que pode levar o Seu povo a um desvio de caminho que não faz parte dos planos dEle para nossas vidas.


Como dissemos, o versículo que estamos estudando está num contexto e este é do retorno do povo de Israel para seu território através de uma liberdade concedida pelo rei Ciro da Pérsia quando este invade e vence a Babilônia, aquela que invadiu e venceu Israel os levando para o cativeiro.


Nos versículos 8 e 9 lemos:

 

“Você, porém, ó Israel, meu servo, Jacó, a quem escolhi, vocês, descendentes de Abraão, meu amigo,

 eu os tirei dos confins da terra, de seus recantos mais distantes eu os chamei. Eu disse: "Você é meu servo"; eu o escolhi e não o rejeitei.”

 

Foi o Senhor quem escolheu e chamou a Abraão da distante Ur do Caldeus. O Senhor lembra Israel que eles são descendentes de Abraão e, sendo assim, eles herdaram esse chamamento de Deus. Foi o Senhor que os escolheu e Ele não os rejeitaria.


Diante dessas afirmações, o Senhor lhes diz: “Não temas”.


Pelo que vejo na palavra de Deus, quando o Senhor chama Ele justifica o chamado. Não porque Ele precisa justificar suas ações, mas por nossa causa, pois temos dificuldades em aceitar algo sem alguma explicação.


São poucos os que recebem o chamado sem pedir uma explicação de Deus, porém aqueles a quem Ele chama devem estar certos de que Ele estará junto, que Ele vai fortalecer e ajudar no que for necessário para que o objetivo dEle se cumpra na vida da pessoa.


A palavra “justiça” em hebraico tem vários sentidos dependendo do contexto. Aqui, pode estar se referindo a Ciro como aquele que executaria a justiça de Deus, ou pode ter o sentido de que Deus é fiel à aliança na redenção de Israel.


Tanto um sentido quanto o outro cabe no contexto. Ciro realmente executou a justiça de Deus, liberando o povo de Israel para reconstruir os muros de Jerusalém e o Templo do Senhor.


Através de Ciro o Senhor estava sendo fiel à sua aliança com Abraão ao trazer de volta o povo para o território que Ele disse a Abraão que daria aos seus descendentes.


Irmãs e irmãos em Cristo, nunca nos esqueçamos da aliança que o Senhor tem conosco em Jesus Cristo. Ele é fiel para cumprir suas promessas decorrentes dessa aliança e Ele vai usar as ferramentas que achar necessário e segundo a sua justiça para que alcancemos a finalidade das promessas, ou seja, o perdão dos pecados e a vida eterna.


Podemos não receber nada deste mundo, mas tenhamos a certeza de que receberemos essas promessas feitas pelo Senhor a todos nós que somos dEle.


Continuando a ler o texto observamos que o Senhor continua a fazer promessas ao povo de Israel. Ele promete que os que se colocassem contra Israel seriam envergonhados, confundidos e pereceriam (v. 11).


Em todo o capítulo o Senhor fala coisas para que os israelitas se sentissem fortalecidos e para que não tivessem medo, afinal era o Senhor, o Deus de Abraão, Isaque e Jacó que estava prometendo.


É impressionante o amor do Senhor para com seu povo, mesmo este povo o rejeitando por tantas vezes ao adorar a outros deuses, que na verdade nem existiam e que não podiam de forma alguma fazer nada por Israel.


Esse amor maravilhoso do Senhor culminou na primeira vinda do Senhor Jesus a este mundo caído para redimir todos aqueles que o aceitassem como Senhor e Salvador de suas vidas.


Quem disse que o Deus do antigo testamento era diferente do Deus do novo? Só quem não entende como o Senhor expressou seu amor por esse povo não os deixando perecer em seus pecados e cumprindo as promessas feitas por Ele, que é o mesmo ontem, hoje e eternamente. Amém.


Nós, os que somos considerados gentios fomos alcançados por esse amor; amor que foi até as últimas consequências na cruz para alcançar aqueles que não eram povo, mas que por causa da cruz foram separados para se tornarem povo do Senhor.


Fazemos parte e nos tornamos os destinatários das promessas de Deus para seu povo. Sim, conforme a palavra somos um enxerto no tronco e não devemos nos orgulhar por isso. Nos lembremos que os ramos originais são os judeus, conforme escrito por Paulo:

 

“E, se as primícias são santas, também a massa o é; se a raiz é santa, também os ramos o são.

E se alguns dos ramos foram quebrados, e tu, sendo zambujeiro, foste enxertado em lugar deles, e feito participante da raiz e da seiva da oliveira,

Não te glories contra os ramos; e, se contra eles te gloriares, não és tu que sustentas a raiz, mas a raiz a ti.”

Romanos 11:16-18

 

Embora nosso versículo em estudo foi destinado aos que estavam no cativeiro da Babilônia, nos lembremos que também estávamos num cativeiro, o cativeiro do pecado.


Assim como Deus usou Ciro para retirar o seu povo do cativeiro, Ele enviou seu Filho para nos retirar do cativeiro do pecado.


Quando o Senhor diz “não temas” tenhamos a certeza de que estaremos seguros na mão direita daquele que prometeu e Ele é fiel e justo para cumprir suas promessas.

 

 

Conclusão

 

Irmãos e irmãs, tenhamos confiança diante daquele que nos retirou do cativeiro do pecado e nos trouxe para seu reino de luz.


Ele nos prometeu o perdão dos pecados e a vida eterna e, se continuarmos em obediência à sua vontade para nossas vidas certamente alcançaremos aquilo que Ele prometeu.


Só podemos dizer que Ele é fiel se realmente confiarmos que Ele vai cumprir suas promessas.


Prossigamos em frente, sem olhar para trás, seguindo para o alvo que é a soberana vocação de Deus em Cristo Jesus (Filipenses 3:14,15).


Que o Senhor te abençoe e te guarde!




 

Dicas de Leitura


Promessas de Deus: Depósitos de Deus no banco da fé

por Charles Haddon Spurgeon



Reflexões diárias que abordam poderosas promessas de Deus, encontradas em Sua Palavra.


Neste livro, Charles H. Spurgeon encoraja o leitor a apropria-se delas, de maneira coerente com a fé bíblica, a fim de usufruir do melhor que o Senhor reservou aos Seus filhos nesta vida, com vistas a exercitar o que é eterno: confiança, comunhão e relacionamento com Ele.




Se puder e quiser nos apoiar, por favor, compre pela imagem abaixo:






 

O Plano da Promessa de Deus

por Walter C. Kaiser Jr.



Qual é o tema central da Bíblia?

Diante da diversidade de autores, gêneros e contextos dos diversos livros bíblicos, é plausível levantar essa questão? Com ela, não estaríamos impondo sobre o texto bíblico um sistema forçado e antinatural?

A essas difíceis questões a disciplina da teologia bíblica luta para responder. Nesta edição revista e expandida de sua clássica Teologia do Antigo Testamento, Walter C. Kaiser Jr. propõe uma solução para tantos assuntos incertos. Sugere que existe, sim, um centro unificador da teologia e da mensagem da Bíblia indicado e afirmado pelas próprias Escrituras. Esse centro é a promessa de Deus. De abrangência universal, esta promessa de vida através do Messias envolve toda a história de salvação do Antigo e Novo Testamentos, trazendo coesão e unidade às diferentes partes da Bíblia.

Uma vez esboçada sua proposta, Kaiser percorre cronologicamente os livros dos dois testamentos, demonstrando como a promessa é entendida ao longo do tempo, como os vários subtemas de cada livro se relacionam com a promessa, e como o plano de Deus para cumprir a promessa se desenvolve progressivamente. O plano da promessa de Deus, esta rica e esclarecedora teologia bíblica, impactará sua mente e seu coração.



Se puder e quiser nos apoiar, por favor, compre pela imagem abaixo:






 

9 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
bottom of page